NOTÍCIAS > CAMPO GRANDE

27/06/2013 - 12h00 | CAMPO GRANDE

Aprovado pelo Congresso, projeto de lei do Ato Médico prejudica municípios

Alguns municípios têm dificuldades com mão-de-obra na área e projeto pode deixá-los em situação delicada, alerta a CNM;

O Projeto de Lei do Ato Médico foi aprovado no Congresso Nacional e aguarda a sanção presidencial. A Confederação Nacional de Municípios (CNM) se posiciona contrária a esta proposta e espera o veto por parte do Palácio do Planalto.
 
O Ato Médico impede que outros profissionais da saúde, como enfermeiros, adotem alguns procedimentos no atendimento de pacientes. Isso deverá ter impacto negativo na rede pública de saúde.
 
Para a CNM, proibir os enfermeiros de ajudarem no atendimento aumentará a complexidade para os municípios, justamente em função da falta de recursos humanos em saúde.
 
Atualmente, 387 municípios não têm médicos, segundo dados do Ministério da Saúde, e por isso, a CNM questiona: como ficará a situação nestes locais?
 
Sem o Ato Médico, os enfermeiros podem, por exemplo, fazer pedido de exames às grávidas, parto normal, acompanhamento de pacientes com hanseníase, tuberculose, Aids e outras doenças.
 
A Confederação lembra que até mesmo o Ministério da Saúde oferece cursos para os enfermeiros fazerem os diagnósticos onde não há médicos.
 
Prejudicados
 
As parteiras serão outra categoria prejudicada caso a presidente da República Dilma Rousseff sancione a lei do Ato Médico.
 
Elas estarão proibidas de atuarem, mesmo com o reconhecimento da atividade pelo Ministério e com o registro no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).
 
Na opinião da CNM, as áreas como nutrição, psicologia, fisioterapia, terapia ocupacional e enfermagem têm um papel muito grande no cuidado com o paciente e com o novo conceito de saúde: saúde não é só assistência médica, é, também, prevenção.
 
Autonomia municipal
 
Outra preocupação é a autonomia municipal. Pois, a respeito dos cargos de chefia - que serão privativos dos médicos-, é uma medida que esfacelará a lógica da atenção básica: equipes multidisciplinares.
 
Manter o médico como chefe das Unidades Básicas de Saúde deve extinguir a idéia de diagnóstico multidisciplinar, uma vez que os demais profissionais de saúde serão subalternos do médico. Isso interfere na autonomia do ente municipal, pois o Projeto determina que a direção e chefia de serviços será exclusiva dos médicos, o que torna o Projeto inconstitucional.

Fonte: CNM


© 2021 MUNICÍPIOS MS - Todos os direitos reservados
Cadastre-se em nossa Newsletter
Telefone: (67) 3027-4580 / 9644-4847